Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Je suis un Homme...

Comme ils disent! Onde tudo tem o seu espaço.

Je suis un Homme...

Comme ils disent! Onde tudo tem o seu espaço.

Quarentena...

... pela segunda vez!

Há semana e meia que estou de quarentena em casa, como metade do mundo. Os dias são mais compridos, as horas demoram mais a passar, tudo aquilo que se pode fazer está feito. As leituras vão sendo feitas, as séries vistas, entre tantas outras coisas. Aquilo que para os demais é uma quarentena, para mim é uma espécie de deja vu.

 

Estou sentado no sofá, manta sobre as pernas, televisão ligada e a Maggie está com musica a tocar, a trabalhar. Um dia perfeitamente normal na nossa rotina nesta quarentena, onde nos esforçamos para manter uma vida totalmente normal.

 

Estar em casa faz-me ter um deja vu, como já referi em cima. Há exatamente cinco anos atrás realizei eu o meu transplante de medula onde estive em isolamento durante cerca de cinco semanas no hospital e depois dois meses em casa. Inventar o que fazer numa altura como essa era muito mais difícil que nos dias de hoje. São cinco anos que separam, mas nesse isolamento foi a oportunidade perfeita para fazer tantas outras coisas.

 

No hospital, dormia, lia, comia, fazia vídeos e tantas outras coisas. Já em casa ainda me era permitido ir passear de carro e na fase final, de ir ao café, de máscara. Foi nessa altura que dei a minha entrevista para o jornal, nessa altura que fui escrevendo no blogue que mantinha na altura.

 

Passar tempo em casa pode ser uma ótima oportunidade para criar projetos, escrever, aproveitar para ler livros, fazermos aquilo que tanto gostaríamos de fazer mas que nunca temos tempo. Mas também pode ser totalmente aborrecido. Temos tempo em demasia, não queremos fazer nada porque nos fartamos totalmente, deixamos de ter paciência. Ficar num estado de aborrecimento é algo totalmente fácil de acontecer.

 

Penso que o que mais custa neste estado de quarentena é o facto de nos sentirmos presos nas nossas casas. Mas quando estamos livres, quantos de nós não gosta de ficar em casa sem fazer nada?

 

Felizmente hoje em dia há tantas coisas que podemos fazer e que nos mantém ligados ao mundo. Eu pessoalmente tenho feito varias coisas parvas, só porque sim. Temos essa liberdade, mesmo quando pensamos que não, como temos a possibilidade de fazermos diretos, ter tempo para amigos que há muito não temos!!!

 

Hoje quero desejar-vos um resto de uma boa quarentena, deixando o link do blogue que escrevia há cinco anos, para também vos entreter um pouco, se assim o desejarem!

 

Estórias do Coração

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.